3 dia - Nazca/Paracas - Parte 3

Nosso último destino turístico em Nazca é a casa do ceramista mais famoso de lá chamado Adrés Calles Flores, condecorado pela cidade como “Gran Maestro de la Artesanía”, o filho dele chamado Tobi, que é super engraçado, assumiu o papel comercial do pai (informações sobre Andrés no site http://www.upt.edu.pe/maestronasca/index.htm ).Lá podemos ver o processo de confecção da cerâmica e as ferramentas utilizadas para manipulação dos materiais. Esse passeio é bem simples, pois o ceramista que visitamos tem sua área de trabalho na própria casa, onde o pai começou.

Os motivos comumente encontrados nas decorações das cerâmicas de Nazca são os naturalista, mítico ou religioso e os geométricos, que incluem círculos, semi-círculos, diamantes, linhas, espirais, degraus, etc.

A civilização Nazca, não possuía sistema de escrita, então as iconografias que eram retratadas em suas cerâmicas, serviu como meio de comunicação.

De acordo com as explicações do ceramista, os motivos pintados na cerâmica Nazca mostram duas categorias principais: sagrado e profano. Estudiosos contam que a cultura Nazca acreditava em espíritos da natureza que controlavam a maioria dos aspectos da vida. Viam esses espíritos como seres míticos, que tinham características humanas e de animais. 

O desenvolvimento da cerâmica é realizada inteiramente à mão, pois as argilas têm estágios intermediários e uma preparação homogênea, e sua queima das peças são feitas em uma fogueira, ou buraco, para que as peças não atinjam altas temperaturas.

Para quem gosta de conhecer profundamente a cultura dos povos, acho interessante fazer esse passeio e conhecer esses detalhes de materiais, métodos e etc, da cerâmica de Nazca, mas se você não tem…DESENCANA, pois vai achar monótono e chato.

Até nossa proxíma postagem

ciao

Mayra Martyres

Fotos e montagens da autora.Para ver melhor as fotos é só clickar em uma delas para ver o álbum.

3 dia - Nazca/Paracas - Parte 2

No ultimo post falei do nosso passeio pelas Linhas de Nazca através do vôo panorâmico,pois é somente do alto que conseguimos ter idéia das figuras. Mas saindo do aeroporto de Nazca, fomos visitar de pertinho como essas figuras foram desenhadas pelas antigas civilizações. 

As linhas são desenhos feitos na superfície do chão, quando removemos as pedras avermelhadas que cobrem toda região, consegue-se ver o chão(terra) esbranquiçado por baixo, e assim iam traçando os desenhos, ou seja, como se fosse uma limpeza das pedras. As maiores figuras chegam a ter mais de 200 metros de diâmetro.

Muitos se questionam como essas figuras foram preservadas estando construídas em meio ao deserto com dunas de área por todos os lados. As informações que se tem, é de que devido ao clima seco, sem vento e estável, fez com que a maior parte das linhas fossem preservadas, sendo extremamente raras as mudanças. 

Saindo de lá, fomos conhecer os Aquedutos de Cantayos, construídos entre 300 a.C e 700 d.C. Os aquedutos são prova viva da inteligência dessa civilização que morava em uma das regiões mais secas do mundo. Ainda em funcionamento, são responsáveis pela irrigação até hoje de Nazca, levando a água das montanhas(Andes) a cidade.

Os aquedutos são construídos em pedra em forma de espiral e são super interessantes para quem gosta de arquitetura, para quem não gosta, fica um pouco de saco cheio com tantas explicações e histórias. Eu adorei, pois você pode entrar e percorrer o caminho feito pelas águas.

Os Aquedutos de Cantayos, são uma rede de canais subterrâneo e estão situado a 4km para o leste da cidade de Nazca, sendo verdadeiras galerias que filtram em uma profundidade, que em alguns casos chega a 12 metros.

Uma curiosidade de Nazca é que nenhuma residência pode ter poço, pois isso afeta a irrigação dos dutos, então os moradores recebem água 1 vez ao dia por tempo determinado pelo governo. Eu fiquei bem assustada com isso… :/

No próximo post vamos continuar com nosso último passei por Nazca, conhecendo a cerâmica e o modo de sua produção.

Ciao

Mayra

Fotos e montagens da autora.Para ver melhor as fotos é só clickar em uma delas para ver o álbum.

3 dia - Nazca/Paracas - Parte 1

No terceiro dia de viagem acordamos bem cedinho, as 6h da manhã. Nosso destino era o Aeroporto de Nazca, localizado a 4km da cidade de onde saem os vôos panorâmicos para as Linhas de Nazca. O local é bem simples e só possui quiosques de empresas aéreas, onde no hall, encontramos informações referentes aos vôos como quadros explicativos de todos os desenhos.

Neste tour é usado um avião pequeno com capacidade para até 12 pessoas, os assentos estão localizados na parte da janela, para melhor vermos os desenhos. Se você tem enjôo, labirintite ou algum problema com movimentos bruscos, eu desaconselho o passeio, pois para observar cada figura, de ambos os lados do avião, o piloto voa em círculos sobre o desenho, além de virar quase que completo para o lado das figuras.

Antes de entrar no avião você sob em uma balança para que seu peso seja anotado pela companhia aérea. Isso ocorre pois o avião precisa estar bem equilibrado para não ter problemas na hora da ”virada”, o que, consequentemente, determina o seu acento.

Nossa companhia foi a Aerodiana (http://www.aerodiana.com.pe), ela possui vários pacotes de circuitos, o nosso era o clássico, com 30 minutos de sobrevôo. Na chegada as instalações do aeroporto eles passam um vídeo apresentando os desenhos para conhecermos quando vistos do alto.

Alguns conselhos antes do seu vôo panorâmico:

- Não comer antes do vôo.

- Não esquecer de levar um mapa das Linhas de Nazca quando realizar o vôo, pois o mapa vai te orientar e fazer você identificar, com mais facilidade, a figura que estiver sobrevoando.

- O piloto vai avisar quando tem que observar as figuras, apesar de você não escutar muito bem por conta do barulhão que faz o motor no avião. Se você não entende o espanhol ou tem maior facilidade para entender o inglês, não conte com tour bilingue, ele é feito em espanhol e apenas algumas companhias tem pilotos que comentam em inglês.

- Para este passeio, é MUITOOOO recomendável usar roupas leves, pelo menos no mês de janeiro, faz muito calor dentro do avião, pois a aeronave não tem ar condicionado e as janelas são fechadas.

Mas se você ta se perguntando o que são esses desenhos, vamos a explicação da sua tão famosa popularidade no ramo turístico.

As Linhas de Nazca são geoglifos antigos localizada no deserto de Nazca, no sul do Peru. Eles foram designados como um Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1994. Dizem que os antigos homens da cultura Nazca fizeram enormes desenhos, para que pudessem ser vistos por seus deuses no céu, representando figuras geométricas, animais e plantas. Vistas do solo, essa figuras são impossíveis de se detectar, pois parecem ser apenas irregularidades do chão, o que faz do avião, o único meio de se observar estes desenhos por completo.

As Linhas de Nazca se transformou em um verdadeiro enigma desde a época que foi descoberto. Existem várias suposições da verdadeira origem, mas ninguém sabe ao certo quem o construiu ou o porquê.

De acordo com os  guias, apesar dos desenhos lembrarem a cultura de Paracas, estudiosos acreditam que as Linhas de Nazca foram criadas pela civilização de Nazca entre 400 e 650 d.c. As figuras, que são construídas individualmente, variam em complexidade a partir de simples linhas e desenhos geométricos, até beija-flores estilizados, aranhas, macacos, peixes, orcas, lhamas e lagartos.

Eu adorei ver as figuras do alto, achei o passeio super legal, mas confesso que passei mal no percurso com muito enjôo…..mas agüentei firme até nossa descida.

No próximo post vou continuar falando das Linhas de Nazca, mas em terra firme.

Ciao

Mayra


Fotos e montagens da autora.Para ver melhor as fotos é só clickar em uma delas para ver o álbum.

1 e 2 dia – Lima/Nazca - Parte 3

Saímos do hotel em Lima as 13:30 direto para a Estación de bus, o terminal, para pegarmos nosso ônibus que ia para Nazca.

Quando se faz esses passeio pelas cidades do Peru de ônibus, é muito importante a escolha da companhia que irá utilizar. O grande problema das empresas é quanto a bagagem dos passageiros, pois costumam sumir no percurso da viagem. A questão é bem simples, lá você paga pelos trechos que irá percorrer. Então pegamos Lima-Paracas, Paracas-Ica, e Ica-Nazca, o que explica o problema das bagagens.

No nosso caso fomos para a última cidade que íamos visitar, Nazca, para depois voltarmos fazendo as paradas. Nossa empresa foi a Cruz del sur (http://www.cruzdelsur.com.pe/inicio.php), pela fama, é uma das melhores empresas peruanas. Possui ótimos ônibus, ótimo serviço de bordo onde passavam vários filmes, além de lanches inclusos e o rapaz de atendimento de bordo falava espanhol, inglês e francês… Fiquei bem assustada quando ouvi ele conversando com os turistas, mas fiquei realmente com inveja pois aqui no Brasil o povo não fala nem o português. 

A viagem é cansativa para quem não dorme em ônibus, para quem dorme, como eu, nem sente o tempo passar…só sente um pouco da coluna. Hehehehehe Eis o motivo de não ir ao Lago Titicaca.

A paisagem realmente é bem contrastante, ver de um lado o oceano imenso e a secura do deserto que percorremos. A viagem dura em torno de 5:30h e chegamos em Nazca já de noitinha.

Nosso hotel foi o Nazca Lines, lá os hotéis são simples, mas possuem acomodação muito boas, sem luxo. Quem quiser ver fotos do hotel tem que acessar o site http://www.peruforless.com/resources/hotels-nazca-lines.php

MUITO IMPORTANTE:

Se você nunca parou para pensar em como agir em um terremoto, acho bom pesquisar….Lá terremotos acontecem a qualquer momento.

Passamos desespero nessa noite quando um terremoto atingiu as cidades de Ica, Paracas e Pisca.

Os tremores registraram pelo menos 6,3 graus na escala Richter e o terremoto durou mais de 10 segundo, o que pareceu uma vida, e que  causou maiores estragos na cidade de Ica.

Eu não preciso dizer que morri de medo ao ver o poste na rua balançar que nem louco, além de não saber como agir em uma situação como essa, mas o hotel tem proteção a prova de sismos.

A cidade não tem muita coisa para se fazer, mas o hotel é localizado no centro perto da Praça Principal, possuindo wifi de graça e café da manhã. Talvez o que torne ele especial é que lá se hospedou Maria Reiche, pesquisadora alemã que passou boa parte de sua vida a estudar e preservar as Linhas de Nazca. O hotel está repleto de fotografias e maquetes sobre as Linhas de Nazca e sobre a vida da pesquisadora durante sua estadia na cidade.

Nazca é conhecida mundialmente pelas famosas Linhas de Nazca, relatadas até no livro Eram os Deuses Astronautas, de Erich von Dãniken, local que vamos conhecer no próximo post.

Ciao

Mayra

Fotos e montagens da autora.Para ver melhor as fotos é só clickar em uma delas para ver o álbum.

1 e 2 dia – Lima/Nazca - Parte 2

Continuando nos pontos turísticos, nosso destino de taxi foi do hotel até a orla marítima de Lima, no chamado Malecón de Miraflores(distrito de Miraflores).

Uma coisa bem interessante na organização governamental deles é que a cidade é dividida em distritos, e cada distrito tem um "prefeito" que necessariamente precisa morar nele. Eles que são responsáveis por tudo que acontece naquela área, além de cada distrito ter um “clube” de recreação onde só pode entrar o morador que reside no distrito. Alguns clubes são tão chiques que possuem piscina, quadra de tênis,etc. Os distritos de Miraflores e San Isidro guardam a cultura e tradição da época colonial, por isso são tão importantes e turísticos.

Essa orla de Lima foi totalmente reformada e tem vista para a praia, além de possuir um observatório e um chafariz que em alguns dias, durante a noite, possui apresentações com jogo de água, luz e música.

A orla também conta com uma área comercial, Centro Comercial de Larcomar, que fica bem na encosta da praia.

Esse local é bastante badalado durante a noite, pois além de possuir lojas, ele também possui cinemas e restaurantes ao ar livre. Quem quiser conferir mais é só entrar no site http://www.larcomar.com/index.html

Cuidado com os peruanos oferecendo jóias e pacotes de passeios, nem sempre eles estão com boas intenções.

Saindo dessa área, começamos a andar pela orla, no sentido contrário dos carros, pela rua Malecón de La Reserva até chegar ao Parque del Amor (Parque do Amor).

O Parque do Amor é um dos locais mais românticos de Lima, seu estilo foi influenciado pelas obras de Gaudi, em Barcelona, e tem como destaque o monumento ao beijo, construído pelo peruano Victor Delfin. Dizem os peruanos, que é costume noivos irem ao local após a cerimonia de casamento. Infelizmente não vi nenhum :/

Depois de fazermos essa caminhada fomos correndo para o hotel pois íamos embarcar com destino a Nazca.

Então não deixe de acompanhar os próximos posts pois agora que a viagem ao mundo inca vai começar. 

Ciao

Mayra


Para ver melhor as fotos é só clickar em uma delas que você pode ver o álbum.

1 e 2 dia – Lima/Nazca

Chegamos no aeroporto de Lima de noitinha, a empresa que nos recepcionou foi a Viajes Pacífico, como eu havia dito.

Em toda viagem os guias foram super simpáticos e realmente conheciam o que explicavam para os turistas.

Nosso pacote, com a agência de viagens brasileira, não era de grupos fechados, então os grupos eram montados pela agência peruana e só haviam dois pacotes que eram de brasileiros: meus pais, eu e minha tia (que se empolgou e foi conosco) e um casal de São Paulo.

Importante dizer que os pacotes eram vendido com três tipos de categoria de hospedagem, o que escolhemos, por medo do que nos esperava no Peru, foi o pacote intermediário, entre o básico e o top.

Por conta do tipo de pacote escolhido, ficamos em diferentes hotéis que o outro casal.

O hotel que ficamos foi o Sonesta Hotel, em San Isidro, com ótimas acomodações e café da manhã muiiiiiiiiiiiito bom. Importante dizer que o hotel tinha wifi de graça.

Ele fica localizado no bairro de San Isidro, na frente do Bosque El Olivar, um bosque linear que percorre um longo caminho no bairro e tem esse nome por possuir uma grande plantação de oliveiras. Em tempos de colheita das azeitonas, o bosque fica lotado delas.

Além de possuir oliveiras, o bosque tem um grande número de espécies de pássaros, além de chafariz, coretos, lagos e muitos banquinhos para aproveitar a vista.

Por ser um bosque linear, existem muitas ruas cruzando a área, e pasmem… todo cruzamento tem um nome de rua ligado a padres e questões religiosas, além de alguns possuírem bustos com placa de homenagem.

Assim como em bosques e parques brasileiros, eles recebem pela manhã uma variedade de visitantes, desde crianças com babás, até atletas e cachorros.

Vocês podem conferir mais algumas fotos do Bosque El Olivar no site http://www.sanisidroperu.com/multimedia-peru/index.php

O primeiro dia era livre até as 12h, pois sairíamos para Nazca as 13:30h, então corremos para ver alguns pontos turísticos próximo do hotel (que não eram assim tão próximos), para não perder esse meio período na cidade.

Como andando não ia rolar, resolvemos pegar um taxi e pedimos ajuda dos funcionários do hotel, que foram super atenciosos e até nos explicaram certas coisinhas sobre esse meio de transporte.

Então prestem atenção na dica Importante:

Os taxis em Lima são relativamente baratos, entretanto você deve perguntar o quanto vai dar a corrida até o local desejado antes de entrar no carro e seguir até seu destino. Lá os taxistas se aproveitam dos turistas desavisados e cobram o dobro ou triplo do valor comum da viagem se o turista não combinar o valor da corrida antes.

Além disso, o cuidado deve ser também ao escolher o tipo de taxi, alguns tem fama de roubar os turistas e deixa-los em locais distantes. Então mais uma dica….pegar os taxis de cores brancas ou pretas.

Se você estiver hospedado em um bom hotel, quando pedir taxi é sempre bom lembrar que eles são um pouco mais caros que os chamados na rua, pois, em sua maioria, são taxis de cooperativas conhecidas das redes hoteleiras e tem seu valor um pouco acima do padrão, mas pelo menos você não corre nenhum risco.

O roteiro escolhido, foi a ida até o distrito de Miraflores, onde se localizam três grandes pontos turísticos da cidade de Lima, os quais vou contar na próxima postagem…

Ciao

Mayra

Fotos e montagens da autora.

Diário de Viagem com destino ao Peru
Antes de começar a descrever os 8 dias da viagem, acho muito importante fazer algumas considerações:
• pense em uma programação que se adeque a todos que estejam indo com você
• tenha espírito aventureiro
• saiba exatamente o que vai encontrar nos locais que você visitará
• se preocupe se você tem problemas de saúde, a altitude de Cuzco tem efeitos fortes sobre nosso corpo
• tenha cuidado com a água, de preferência beba água mineral e refrigerantes engarrafados e evite sucos e gelo.
Por quê?
Vocês vão entender quando eu começar a falar sobre a viagem.
Peru, especificamente Machu Picchu, era um sonho meu de querer conhecer a história dos Incas. Sempre fui alucinada pelas histórias dos gregos, romanos, astecas e os dito cujos incas…e não foi pelo fato de estudar arquitetura não…muito menos por ficar impressionada de como a “história” explica a construção desses lugares, é uma paixão mesmo pela mitologia que se encontra em tudo.
Além dos festejos de 100 anos de Machu Picchu, rolou um boato, noticiado em vários sites de viagem e turismo, que um louco político do Peru estava querendo acabar com as visitas no local….eu como amante da restauração entendo os motivos que ele estava expondo para isso, mas mesmo assim, ainda fiquei irada e desesperada para realizar esse desejo de visitar a "cidade perdida dos Incas”.
Foi assim que comecei a planejar, com certa urgência, minha ida até lá.
Minha família sempre teve o habito de viajar junto desde que eu era pequena, então falei para meus pais que estava organizando minha ida para lá. Meu pai logo se prontificou a ir comigo….e lógico, enchemos o saco da minha mãe para ir também.
Pesquisei vários roteiros e empresas e decididamente, Peru foi um local que EU achei que não seria bom fazer independente de agência de viagem, não é discriminação não, mas para vocês terem idéia, haviam locais que o terminal de ônibus era de palha e algo tipo bambu. E se tem uma coisa que sou chata e com cama boa para dormir e banheiro limpinho ehehehehehe.
Mas se você e descolado mochileiro e além de garra, adora fazer suas viagens sem a ajuda de agências, ainda assim indico utiliza-las para os passeios. Uma das empresas que nos acompanhou por lá e que também faz pacotes sem intermédio das agências de viagens brasileiras é a Viajes Pacífico http://www.viajespacifico.com.pe.
Essa empresa foi uma das poucas, que vi, que estava em todos as cidades que passamos e tinha uma quantidade de guias, ônibus, vans e agências físicas por todo país.
O pacote escolhido foi para 8 dias percorrendo algumas cidades do Peru, e como muitos percursos eram feitos de ônibus, não escolhi o pacote completo até o Lago Titicaca (localizado nos Andes, na fronteira do Peru e da Bolívia),  pelos motivo de termos que passar um longo período em estradas (o ônibus pode ser o mais confortável mas cansa) e me preocupar de como nosso corpo se adaptaria nesses percursos longos e sinuosos.
Então vamos a programação escolhida:
1 dia – Brasil / Lima
2 dia – Lima / Nazca 
3 dia – Nazca / Paracas 
4 dia – Paracas / Lima
5 dia – Lima / Cusco
6 dia – Cusco
7 dia – Machu Picchu
8 dia – Cusco / Lima / Brasil
Depois do resumo da viagem, amanhã começarei a descrever os 8 dias que passei nesse país, contando algumas coisas engraçadas, outras que me surpreenderam e outras que mudaram várias coisas em mim.
ciao
Mayra

Diário de Viagem com destino ao Peru

Antes de começar a descrever os 8 dias da viagem, acho muito importante fazer algumas considerações:

• pense em uma programação que se adeque a todos que estejam indo com você

• tenha espírito aventureiro

• saiba exatamente o que vai encontrar nos locais que você visitará

• se preocupe se você tem problemas de saúde, a altitude de Cuzco tem efeitos fortes sobre nosso corpo

• tenha cuidado com a água, de preferência beba água mineral e refrigerantes engarrafados e evite sucos e gelo.

Por quê?

Vocês vão entender quando eu começar a falar sobre a viagem.

Peru, especificamente Machu Picchu, era um sonho meu de querer conhecer a história dos Incas. Sempre fui alucinada pelas histórias dos gregos, romanos, astecas e os dito cujos incas…e não foi pelo fato de estudar arquitetura não…muito menos por ficar impressionada de como a “história” explica a construção desses lugares, é uma paixão mesmo pela mitologia que se encontra em tudo.

Além dos festejos de 100 anos de Machu Picchu, rolou um boato, noticiado em vários sites de viagem e turismo, que um louco político do Peru estava querendo acabar com as visitas no local….eu como amante da restauração entendo os motivos que ele estava expondo para isso, mas mesmo assim, ainda fiquei irada e desesperada para realizar esse desejo de visitar a "cidade perdida dos Incas”.

Foi assim que comecei a planejar, com certa urgência, minha ida até lá.

Minha família sempre teve o habito de viajar junto desde que eu era pequena, então falei para meus pais que estava organizando minha ida para lá. Meu pai logo se prontificou a ir comigo….e lógico, enchemos o saco da minha mãe para ir também.

Pesquisei vários roteiros e empresas e decididamente, Peru foi um local que EU achei que não seria bom fazer independente de agência de viagem, não é discriminação não, mas para vocês terem idéia, haviam locais que o terminal de ônibus era de palha e algo tipo bambu. E se tem uma coisa que sou chata e com cama boa para dormir e banheiro limpinho ehehehehehe.

Mas se você e descolado mochileiro e além de garra, adora fazer suas viagens sem a ajuda de agências, ainda assim indico utiliza-las para os passeios. Uma das empresas que nos acompanhou por lá e que também faz pacotes sem intermédio das agências de viagens brasileiras é a Viajes Pacífico http://www.viajespacifico.com.pe.

Essa empresa foi uma das poucas, que vi, que estava em todos as cidades que passamos e tinha uma quantidade de guias, ônibus, vans e agências físicas por todo país.

O pacote escolhido foi para 8 dias percorrendo algumas cidades do Peru, e como muitos percursos eram feitos de ônibus, não escolhi o pacote completo até o Lago Titicaca (localizado nos Andes, na fronteira do Peru e da Bolívia),  pelos motivo de termos que passar um longo período em estradas (o ônibus pode ser o mais confortável mas cansa) e me preocupar de como nosso corpo se adaptaria nesses percursos longos e sinuosos.

Então vamos a programação escolhida:

1 dia – Brasil / Lima

2 dia – Lima / Nazca

3 dia – Nazca / Paracas

4 dia – Paracas / Lima

5 dia – Lima / Cusco

6 dia – Cusco

7 dia – Machu Picchu

8 dia – Cusco / Lima / Brasil

Depois do resumo da viagem, amanhã começarei a descrever os 8 dias que passei nesse país, contando algumas coisas engraçadas, outras que me surpreenderam e outras que mudaram várias coisas em mim.

ciao

Mayra

Só sei que foi assim…
Em anos da minha vida, por influência da minha mãe, em toda viagem que fazia eu escrevia um diário sobre ela. Coletava folders, papeis com logo dos lugares e informações sobre os locais que eu passava. Escrevia diariamente sobre tudo que havia visitado, colando delicadamente algo que lembrasse o que descrevia….depois, mostrava para amigos ou revia para matar a saudade.

Com a correria do dia-a-dia esses diários foram ficando incompletos, com textos rascunhados em um bloco de anotações e todo o conteúdo, reunido durante as viagens, guardado em um saco referente ao destino (acreditem, já tenho vários empacotados).

Sim, ver meus diários de viagens incompletos me angustia e muito!!!!!! Por isso, a partir de agora, meu diário oficial de cada viagem planejada vai ser aqui. 

Aos que quiserem saber o meu olhar sobre as coisas que visito, sejam bem vindos. Aos que acharem tolice, ignorem….e aos que quiserem saber o que to fazendo para fofocar…a porta está bemmmm aberta pois falem mal mas falem de mim. heheehehhe :D











"Viajar torna o sábio melhor e o tolo pior” - Thomas Fuller

Só sei que foi assim…

Em anos da minha vida, por influência da minha mãe, em toda viagem que fazia eu escrevia um diário sobre ela. Coletava folders, papeis com logo dos lugares e informações sobre os locais que eu passava. Escrevia diariamente sobre tudo que havia visitado, colando delicadamente algo que lembrasse o que descrevia….depois, mostrava para amigos ou revia para matar a saudade.

Com a correria do dia-a-dia esses diários foram ficando incompletos, com textos rascunhados em um bloco de anotações e todo o conteúdo, reunido durante as viagens, guardado em um saco referente ao destino (acreditem, já tenho vários empacotados).

Sim, ver meus diários de viagens incompletos me angustia e muito!!!!!! Por isso, a partir de agora, meu diário oficial de cada viagem planejada vai ser aqui. 

Aos que quiserem saber o meu olhar sobre as coisas que visito, sejam bem vindos. Aos que acharem tolice, ignorem….e aos que quiserem saber o que to fazendo para fofocar…a porta está bemmmm aberta pois falem mal mas falem de mim. heheehehhe :D

"Viajar torna o sábio melhor e o tolo pior” - Thomas Fuller